Lago Paranoá Brasília

O Lago Paranoá Brasília é um lago artificial localizado na capital do Brasil. Foi concebido em 1894 pela Missão Cruls e concretizado com a construção da cidade, durante o governo do presidente Juscelino Kubitschek.

O lago é formado pelas águas represadas do Rio Paranoá. Tem 48 quilômetros quadrados de área, profundidade máxima de 38 metros e cerca de oitenta quilômetros de perímetro, com algumas praias artificiais, como a “Prainha” e o “Piscinão do Lago Norte”. Lago Paranoá Brasília

Foi criado com o objetivo de aumentar a umidade em suas proximidades. Ao redor do lago, há vários bares e restaurantes. As regiões do Lago Sul e Lago Norte derivam seus nomes do lago. Cada uma ocupa uma das duas penínsulas.

Lago Paranoá Brasília História

No resumo do relatório da comissão de estudos da Nova Capital, apresentado por Luís Cruls em 1896, este transcreve trecho de sub-relatório feito pelo botânico Glaziou:

“ (…) Entre os dois grandes chapadões, conhecidos pelos nomes Gama e Paranoá, existe imensa planície sujeita a ser coberta pelas águas da estação chuvosa; outrora era um lago devido à junção de diferentes cursos de água formando o Rio Paranoá; o excedente desse lago, atravessando uma depressão do chapadão, acabou com o carrear dos saibros e mesmo das pedras grossas por abrir nesse ponto uma brecha funda, de paredes quase verticais, pela qual se precipitam hoje todas as águas dessas alturas. É fácil compreender que, fechando essa brecha com uma obra de arte (dique ou tapagem provida de chapeletas e cujo comprimento não exceda quinhentos a seiscentos metros, nem a elevação de vinte a 25 metros) forçosamente a água tornará ao seu lugar primitivo e formará um lago navegável em todos os sentidos, num comprimento de vinte a 25 quilômetros sobre uma largura de dezesseis a dezoito”.

Lago Paranoá Brasília Vila Amaury

Os operários que trabalhavam nas obras de construção civil de Brasília, em sua maioria vindos das regiões Nordeste e Norte do país, ocupavam as regiões de seu entorno em cidades, a princípio temporárias. Entretanto, a permanência nas acomodações e alojamentos oficiais das companhias era restrito aos seus funcionários e reservado somente aos solteiros. Dessa maneira, aqueles que vinham com suas famílias ou as constituam durante esse período precisavam encontrar outras alternativas e acabavam fundando vilas. É o caso da Vila Amaury.





Os relatos dos ex-moradores da Vila, fontes orais de sua história, são, por vezes, paradoxais e expressam a dimensão subjetiva da memória e desse tipo de depoimento. Alguns afirmam que era sabido por todos, principalmente por aqueles moradores que trabalhavam nas obras da barragem, que a região seria inundada, mas também {é relatada} a surpresa em relação a velocidade com que as águas tomavam a Vila. Muitos ex-moradores afirmam não terem tido tempo para salvar muitos bens. A fala do pescador Pedro Venzi indica a tensão entre a oficialidade e a não-oficialidade, constitutivas da história dessa e de outras vilas do período, ao afirmar sua preocupação em salvar documentos para que conseguissem se restabelecer em outros lugares. Diferentemente desses moradores, a Vila Amaury não havia deixado muitos indícios materiais de sua existência, apoiada nos relatos orais e na memória daqueles que a conheceram. Recentemente, o investimento de novas tecnologias de georreferenciamento na região do lago assinalam a possibilidade de recuperar as ruínas da Vila, processo que começou a ser realizado por mergulhadores que as tem fotografado.

Lago Paranoá Fauna

Uma das aves mais comuns do lago é o biguá. São também encontrados garças, águias-pescadoras, matracas, marrecas-pé-vermelho e marrecas-irerê. Entre mamíferos há a presença de lontras, capivaras, cuícas-d’água, ratos-d’água, micos-estrela, gambás-de-orelha-branca e ratos-do-campo. Há também o jacaretinga, uma espécie nativa do lago que prefere as águas mais rasas e com mais vegetação e que não costuma atacar humanos.

Lago Paranoá Pesca

Desde o ano 2000, a pesca é permitida e incentivada no lago após sua despoluição, onde são extraídos em sua maioria tilápias, espécie não nativa, assim como o tucunaré e a carpa, esta última introduzida especialmente como limpeza contra as algas. As espécies nativas são cará, lambari e traíra.

Lago Paranoá Navegação e Esportes Náuticos

O Distrito Federal possui mais de 50 000 embarcações registradas, sendo a quarta maior frota náutica do país. Entretanto, não há, em toda a orla do lago, qualquer píer ou marina públicos. São praticados no lago vários esportes náuticos como canoagem, remo, iatismo, esqui aquático e até mergulho. Ali é realizada, desde 1994, a Regata JK, disputa com mais de duzentas embarcações.

Mapa de localização

Please specify the URL of your media file that you wish to pop up in lightbox




Deixe seu comentário